Postado 03 novembro 2013

Resenha: A Lista do Nunca

Por Regiane Cristina S.






Título: A Lista do Nunca
Autor: 
Koethi Zan
Nº de páginas: 272
Ano Edição: 2013
Editora: Paralela

Classificação: 5/5 estrelas







“  Eu não estava sozinha. Havia mais outras duas garotas ali, nuas, magras e presas à parede como eu. Diante de nós estava a caixa. Era um caixote de madeira simples, medindo talvez um metro e meio de comprimento com pouco mais de um metro de altura. A abertura estava longe de mim, por isso eu não conseguia ver o que a prendia. Havia uma lâmpada fraca pendurada no teto. Ela balançava um pouco um pouco. Jennifer não estava por perto.  ”

u adoro livros e filmes do gênero thriller. Pode até parecer estranho para algumas pessoas, mas eu fico sempre empolgada quando lançam obras nesse estilo. Eu já estava curiosa para ler A Lista do Nunca e fiquei com mais vontade ainda depois que a Ceile do Este Já Li não poupou elogios. 

Raramente me decepciono com esse tipo de livro, pois a maioria das histórias são bem elaboradas - seguidas de uma pesquisa árdua - e sempre conseguem prender totalmente a minha atenção. A Lista do Nunca não só superou todas minhas expectativas, como foi um dos melhores thrillers que eu já li.


Jennifer e Sarah sempre foram amigas inseparáveis, mas quando ambas tinham 10 anos, sofreram um acidente de carro e logo após o ocorrido, elas decidiram escrever A Lista do Nunca por anos. Elas deduziram que se manteriam salvas e com segurança se seguissem à risca as ações descritas nessa lista, e conforme o tempo ia passando, novas regras eram acrescentadas a ela. 

“  No início, os diários eram divididos em oito categorias básicas, porém, à medida que fomos ficando mais velhas, descobrimos, horrorizadas, que havia coisas muito piores do que acidentes aéreos, acidentes domésticos e câncer. Em silêncio absoluto e depois de muita reflexão, sentadas no banco ensolarado e alegre da janela do meu bem iluminado quarto no sótão, Jennifer escreveu novos títulos em letras pretas com sua Bic: sequestro, estupro e assassinato. 

Porém, numa determinada noite, assim que elas resolvem entrar em um táxi para ir a uma festa fora do campus da Universidade - que estudam - acabam nas mãos de um homem cruel e sádico, presas em um porão, onde foram mantidas acorrentadas com mais duas garotas por 3 anos. 

Dez anos mais tarde, depois que Sarah conseguiu fugir daquele terror, ela tenta levar uma vida quase normal. Ela se limita a manter contato com o porteiro do seu prédio que lhe ajuda em tudo que pode para que possa sobreviver e conta também com a sua psicóloga que tenta guiá-la da melhor forma possível, para que ela possa enfrentar os dias que se seguem. 

Se isso já não fosse tão difícil, Sarah ainda fica sabendo que seu sequestrador tem a chance de conseguir uma condicional - com um discurso que poderá convencer a justiça. Então é nesse momento que ela decide tomar uma atitude. Só que nada disso será fácil, já que Sarah terá que bater de frente com seus medos e receios para revelar o outro lado da história que nunca veio à tona.  


A Lista do Nunca é um livro tenso e que possui cenas angustiantes, mas a criatividade e o suspense que foi depositado nessa história é absurdamente incrível e inteligente. A autora conseguiu explorar com maestria as mais elevadas loucuras e crueldades que um ser humano pode vir a atingir.  

Essa obra desperta todo tipo de sentimento. Desde raiva e repúdio até pena e solidariedade. Sem contar que quanto mais eu mergulhava na leitura, mais me surpreendia com a destreza de Koethi Zan em criar quebra-cabeças e mistérios. Quando eu imaginava que nada mais poderia me abalar, acontecia o contrário, o que sempre me deixava estupefata. 


O livro é narrado em 1° pessoa - do ponto de vista de Sarah - intercalando entre o passado e o presente, revelando detalhes essenciais para entender todo o terror que ela passou desde o seu sequestro até a sua fuga. Tudo é muito assustador, mas acho que nada supera quando Sarah consegue fugir daquele lugar inóspito e infernal. Essa cena é o ápice aterrorizante da história. 


Os personagens foram muito bem construídos. Eles beiram a realidade. Sarah com todas as suas dificuldades em se adaptar ao mundo, depois de todo trauma que sofreu, me comoveu demasiadamente, com sua determinação em passar por cima de tudo isso para fazer justiça e buscar a verdade sobre o desaparecimento de  Jennifer. Não vou citar o nome do sequestrador, porque eu considero spoiler, mas reconheço que ele é um ótimo vilão. As cartas, os jogos psicológicos, os castigos, a tal caixa me deram frio na espinha. Achei bem interessante como a autora trabalhou também o passado das outras garotas: Christine Tracy - através de lembranças que foram compartilhadas no decorrer dos anos que elas permaneceram aprisionadas no porão na companhia de Sarah. Os demais personagens (Adele, Noah Philben, Sylvia Dunham, etc) também desempenham papéis fundamentais. 


O livro faz jus a frase apresentada na capa: "Quando a ficção é tão assustadora quanto a realidade.", pois é exatamente o que causa do leitor.  Essa história é tão palpável, que quase dá para acreditar que aconteceu, ainda mais que já li alguns fatos semelhantes ocorridos. 

Confesso que me identifiquei um pouco com essa lista criada por Jennifer e Sarah, porque muitas coisas contidas ali, foram e são aconselhadas pelos meus pais por cuidado e preocupação. 

Eu achei que o desfecho passou longe de ser previsível. Na verdade eu fiquei pasma, de boca aberta, de tão inesperado que foi. Gostei muito da forma que tudo foi conduzido e elaborado. Me tornei fã de Koethi Zan, portanto ficarei aguardando ansiosamente um futuro trabalho.


Se você gosta de histórias envolventes, intrigantes, capaz de lhe fazer passar a noite debruçado em suas páginas, eu recomendo!

   Fotos por Ler & AlmejarCopyright Todos os direitos reservados a Ler & Almejar.

7 comentários:

  1. Nossa, só de ler sua resenha fiquei super curiosa sobre a história que me lembra alguns contecimentos que mostraram na televisão algum tempo atrás. Como é um livro de suspense e muita tensão, acho que vou gostar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Gi!

      Eu recomendo demais a leitura. O livro é realmente muito bom! Espero que goste.

      Beijos ^_~

      Excluir
  2. Oi Rê! Estou doida para ler esse livro, justamente por causa da Ceile hahaha, agora vendo a sua resenha mega positiva me animo ainda mais, é o próximo que vou solicitar!
    Adoro esse gênero, apesar de me envolver tanto que ao final da leitura estou desgastada. Espero gostar tanto quanto você <3

    Beijos
    Livros e blablablá

    ResponderExcluir
  3. Faço das palavras da Juh, as minhas hahah

    ResponderExcluir
  4. Estou muito curiosa para ler o livro, achei a historia que a autora criou bem diferente, esse vai ser o livro que nao vai sair da minha cabeça tao cedo. Ja esta na minha lista!


    xx

    ResponderExcluir
  5. Ai, Rê, nós já falamos tanto sobre esse livro que acho que qualquer coisa que eu fale aqui seja repetitivo.
    Sem dúvidas, se houver mais algum lançamento aqui da autora, farei questão de lê-lo, pois A Lista do Nunca me despertou os mais diversos sentimentos (como você disse). Eu não sou muito de ler thrillers (e deveria), mas depois deste, quero conhecer muitos outros.
    As fotos estão lindas, como sempre <3

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Gosto muito de thrillers. Ultimamente ando lendo os do Harlan Coben (ele é ótimo!). Uma amiga minha me recomendou ler esse livro, daí procurei por uma resenha e encontrei a sua :)

    Vou encomendar o mais rápido possível!

    ResponderExcluir