Postado 06 setembro 2013

Resenha: Sábado à Noite

Por Regiane Cristina S.






Título: Sábado à Noite
Autor: Babi Dewet
Nº de páginas: 334
Ano Edição: 2012
Editora: Selo Generale









“ Meia hora depois, a garota ainda estava ali jogada no chão e com a cabeça apoiada nos joelhos. A banda já tinha parado de tocar há alguns minutos. Ela continuava imaginando e sonhando se um dia poderia estar perto de quem gosta sem magoar alguém. Passava como um filme em sua cabeça. Não queria machucar uma de suas melhores amigas por uma paixão adolescente por alguém que ela achava tão patético quanto ela. Que ela nem ao menos sabia por que se sentia assim. Esse embrulho no estômago e a vontade de chorar constante. O ritmo acelerado que o coração tomava quando sentia seu cheio ou quando via seu sorriso. 


A primeira vez que ouvi falar em SAN, foi em 2010, quando ainda tinha sido lançado de forma independente. Na época eu fiquei bem interessada na história criada por Babi Dewet, mas depois de algumas críticas onde apontavam detalhes que não me agradavam, eu desisti. Somente nesse ano - ao ganhar o livro de presente - eu me animei para ler. E apesar de conter coisas que me incomodaram, me surpreendi muito com o andamento da obra. A autora tem o domínio de prender a atenção do leitor até a última página. 

Sábado à Noite é o primeiro livro que pertence a uma trilogia que possui uma história complicada, mas repleta de música, amizade e amor, apresentando Amanda como protagonista. Uma garota que faz parte do grupo de amigas mais populares do colégio. Por outro lado, existem os marotos: cinco garotos que possuem a fama de serem bagunceiros e entre eles está Bruno - o melhor amigo de infância de Amanda. Só que por sua falta de reputação, a garota evita falar publicamente com ele.

Mas quem disse que popularidade é tudo? Quando um amor mal resolvido ressurge e a amizade é colocada à prova, Amanda começa a ver tudo ruir e a partir disso, mergulha em aflições e sofrimentos. E se isso já não fosse o suficiente, o diretor abre as portas para uma banda de integrantes misteriosos que usam máscaras para tocar todos os sábados à noite no baile da escola, e o que deixa a garota intrigada é que suas letras têm muito a dizer sobre ela. Quem seriam esses garotos que tanto abalam seus pensamentos?

Quando peguei SAN nas mãos, eu não tinha ideia do quanto eu ficaria entretida, até porque o livro trata-se uma fanfic sobre 
McFly: uma banda que não faz parte da minha geração (Sou dá época que me descabelava pelos shows do Bon Jovi e Skid Row). Confesso que de início o livro não dava nenhum indício do quanto ia me cativar, mas depois que passei das 60 páginas, a história tomou um ritmo demasiadamente contagiante a ponto de me fazer não querer tirar os olhos um minuto sequer da história. 

Fiquei muito feliz pela autora ter optado em escrever a narrativa dessa obra em 3ª pessoa. Não que eu não goste de narrações em 1ª pessoa, só que é muito mais complicado para o escritor conseguir dar uma visão ampla, utilizando essa técnica. Mas voltando a SAN, apesar de ter sentido falta de narrações maiores,  Babi trabalhou muito bem  o ponto de vista de cada um dos seus personagens. Os diálogos são bem divertidos - com ótimas sacadas - principalmente quando foca os marotos. Peguei-me rindo várias vezes, pois o humor contido é bem colocado, tornando-se impossível não se render a toda essa descontração. Sem contar que serviu para dar uma quebra no clima tenso da trama. 

Apesar da Babi ter deixado claro desde o início da leitura, que a cidade não era rígida nas leis e, portanto jovens dirigiam sem possuir cartas de motorista, me incomodou um pouco. Também não gostei em ver que a maioria dos familiares dos personagens era muito ausentes. Sou uma pessoa muito família, então senti falta da autora ter trabalhado mais esses detalhes. Além disso, impressão que ficou, foi de que todos os personagens eram filhos únicos - com exceção de Guiga. Espero sinceramente que isso seja mais bem explorado no próximo livro.

Em relação aos personagens teve aqueles que eu tive vontade de colocá-los em potinhos e outros de simplesmente esganá-los. Vou começar por Amanda. A garota conseguiu superar qualquer outra protagonista que eu já tenha detestado (Dana da série Faeriewalker de Jenna Black e Bella Swan da série Twilight de Stephanie Meyer). Olhando lá atrás -voltando a minha adolescência - eu não consigo enxergar nada que possa me identificar com ela. Além de não ter um pingo de percepção pelas coisas que acontecem ao seu redor, ela não consegue ter uma relação decente nem mesmo com suas amigas. Mete os pés pelas mãos a todo o momento, além de ser muito covarde para enfrentar tudo que lhe vem acontecendo. Mas isso não foi nada perto do que ela apronta para o lado do Daniel. Nesse momento eu tive vontade de entrar no livro para lhe dar voadoras. Ela se mostrou muito egoísta e isso bastou para mim.  

Daniel é um doce e muito romântico. O cara que qualquer garota gostaria de namorar (mesmo sendo considerado perdedor). Ele me irritou algumas vezes por ter ataques de ansiedade feminina, mas não o suficiente para me desencantar. Adorei a cumplicidade que ele tem para com seus amigos - o oposto de Amanda - e o seu humor é simplesmente contagiante. Falando dos personagens secundários, eu não curti a turma da protagonista. A única que me afeiçoou, foi Ana que é muito compreensiva e têm uma disposição para ouvir os outros. Maya e Guiga ficaram muito apagadas e pareciam viver em um mundo à parte. Carol é a insuportável, mal humorada, capaz de irritar a criatura mais paciente. 

Já os marotos me cativaram desde o início. Na minha época de colégio eu me dava melhor com os meninos do que com as garotas, acho que por isso curti tanto eles. São engraçados, possuem um laço de amizade forte e não são encanados com nada. Não achei baderneiros, apenas descontraídos. Não entendi essa fama que eles tomaram, já que o que eles faziam, não era nada demais. Sou apaixonada pelo Fred. Ele consegue superar todos os marotos com sua personalidade. Ele é fofo, conquistador de professores, super divertido, companheiro e muito compreensivo. Gostei muito do Bruno, sem frescuras, engraçado e até mesmo um pouco resmungão - que dá todo charme ao seu personagem. Também adorei os momentos de flashbacks da sua infância ao lado de AmandaCaio e Rafael também acaba no mesmo dilema de Maya e Guiga, me impossibilitando de chegar a uma conclusão do que realmente acho deles. Torcendo para que Babi explore mais esses personagens que tem de tudo para se tornarem interessantes. Não gostei de Kevin logo de cara, mas conforme fui conhecendo-o, eu me rendi e fiquei completamente ligada a ele, fora que seu papel é fundamental na história e na vida de Amanda. Só me recuso a falar mais, porque seria spoiler.

O romance é a principal característica dessa obra e confesso que em diversos momentos eu senti um friozinho na barriga. A história de Amanda e Daniel trouxe lembranças gostosas do meu primeiro namoro, as descobertas, as cartinhas e declarações. É uma fase mágica e marcante que a autora captou e transportou com muita precisão para suas páginas. 

Sábado à Noite superou minhas expectativas, a escrita é envolvente e deliciosa, capaz de te fazer devorar o livro em poucas horas. Eu fiquei muito viciada na forma de escrever da autora. Um ingrediente perfeito para conquistar leitores e foi o que aconteceu comigo. Fiquei deslumbrada ao me deparar com músicas de The Beatles contidas pelas páginas de SAN. Sou suspeita para falar da banda, pois amo (influência da minha mãe).  

Mesmo com tantos clichês, como os bad boys, os populares, os excluídos, nada disso foi capaz de tirar o encanto que esse livro traz. Sem contar que o final foi extremamente surpreendente. Fiquei um tempão de boca aberta, voltando às páginas para ter certeza de que era aquilo mesmo. Babi Dewet prova que não tem medo de ousadia e com isso consegue transformar uma história que de início parece simples (cotidiana) em algo surpreendente. A minha sorte é que eu li esse livro poucos dias antes de ser lançado SAN 2 - que já comecei a devorar - se não eu estaria surtando de ansiedade.

Se você ama música, romance, acontecimentos surpreendentes, emoção e amizade, eu recomendo Sábado à Noite!

15 comentários:

  1. O livro é um misto de várias coisas que chamam a minha atenção, então acho que vou gostar!

    Abraços, Isabela.
    www.universodosleitores.com

    ResponderExcluir
  2. Mil vezes parabéns pela resenha. Encontrei seu blog pelo twitter da Dewet e só posso dizer, como autora prestes a lançar - e que não para de morrer de medo de qualquer resenha que virá a receber-, que qualquer escritor amaria ser resenhado por você, sério. Você expôs a sua opinião com sinceridade e respeito, quis se despir de preconceitos na leitura e deu uma chance de verdade ao livro. Digno demais! Com certeza, o seu blog merece o sucesso que fez e muito mais. Parabéns de novo!

    Marcele Cambeses
    http://www.marcelecambeses.com.br

    ResponderExcluir
  3. Nossa que resenha boa! Não é o estilo de leitura que eu gosto, e a história não me chamou nem um pouco a atenção, mas você ressaltou tantos pontos interessantes que fiquei curiosa!!!

    Tá vendo como a divulgação é a alma do negócio kkkkkkk

    Valeu a dica! Beijos

    ResponderExcluir
  4. Reh, que saudadeee!!!!
    *-*
    Vim aqui conferir as novidades enquanto o Di Moça está "fechado". Preciso me organizar pra comentar nos blogs que tanto gosto, entre eles o seu!!

    Adorei sua resenha!! Ri muito com suas descrições de personagens e também me senti assim com a Amanda. Não me vi nenhum pouco parecida com ela, acho que a adolescência na minha época era mais "light". Os marotos são bacanas e o Fred é o que me conquistou também, talvez por ser mais sensato, sei lá. Eu também sempre tive mais facilidade em ser amiga dos meninos!

    Espero que no segundo livro a Babi desenvolva alguns personagens mesmo. Eu confundia muito os personagens Rafael e Caio. Não conseguia visualizar os personagens, me confundia sempre! :x

    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  5. Nunca tive vontade de ler esse livro...gostei da sua resenha :D talvez eu dê uma chance *--*

    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Oi,
    Já ouvi falar bastante desse livro, mas confesso que nunca tive coragem de ler. Mas depois da resenha fiquei um pouco animada! rs
    Bjs!
    Viciados Pela Leitura



    ResponderExcluir
  7. A história parece ser bem boa, com esse dilema DE NAMORO VS AMIZADE bastante moderno e presente na vida de todos nós em geral, o livro tb já me ganhou pela capa, já entrou pra listinha...

    ResponderExcluir
  8. Olá Regiane
    Não conhecia o livro, mas a história parece ser bem interessante. Gosto de romances que dão um frio na barriga rs. Achei bem interessante também a ideia de colocar trechos de músicas do beatles no livro.

    Estou seguindo seu blog para acompanhar as atualizações e sempre que puder fazer uma visita.
    Abraços

    http://reaprendendoaartedaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. HUhuahua
    adorei sua resenha! Sempre quis ler SAN, mas diferente de vc, foi principalmente por saber que era uma fanfic de Mcfly e eu era mt viciada em fics (apesar de não ter conhecido esta da Babi).
    Gostei que vc falou bem de cada personagem, o que gostou e não curtiu. Uma amiga leu e falou q a Amanda é mesmo meio o.O rs Sei lá, acho essa questão de 'não falar com amigo por conta da opinião alheia uma coisa bem feia'
    E o que vc comentou do Daniel eu lembrei q minha amiga disse que ele tem umas coisas meio 'incomuns em se tratando de garotos'
    Acho que tb não curtiria essa questão de adolescentes dirigindo... Mas entendo q deve ter sido um recurso pq geralmente as fics se passam no exterior e lá gente nova pode dirigir! Enfim!

    Eu ainda vou ler esse livro, mas a verdade é que estou esperando uma promoção!

    bjss

    ResponderExcluir
  10. Por ser uma série adolescente eu me interessei muito, já que amo esse tipo de livro!! Gostei bastante dessa capa e espero ler essa série!!

    ResponderExcluir
  11. Eu quero muito ler esse livro. Parece ser muito bom e é um tema que me agrada muito, espero que o livro também faça o mesmo né!?

    ResponderExcluir
  12. Ganhei esse livro recentemente, mas ainda não tive tempo de ler. Não tenho muita curiosidade de ler ele, ele me lembra duas obras que gostei muito e apesar dos ótimos comentários ainda não vi nenhum diferencial que me deixasse instigada, mas quero ler para ver se também irei gostar. Não sabia que era uma trilogia, tomara que eu ganhe o volume dois rsrs.
    Abraços, Raquel.

    ResponderExcluir
  13. Eu juro que tentei..mas não consegui ler esse livro. E acredito que isso teve muito a ver com o meu momento. Que não combina em nada com essa temática. A leitura fica enfadonha, os personagens não me instigam..e eu simplesmente não consigo sair das primeiras páginas. É outro livro que eu tenho que esperar um tempo mais adequado para conseguir ler.
    Dessa forma, eu posso ser justa.
    Bjsss,
    Annie

    ResponderExcluir
  14. Já estive com esse livro nas mãos, para comprar, por diversas vezes e não sei porque, até hoje não fiz isso. Algo me diz que não vou gostar e então, devolvo para a prateleira. Gostei da sua resenha, mas ainda não me animei a ler.

    ResponderExcluir
  15. Adorei a resenha e o blog. Você escreve muito bem, e bem fofa, pelo o que pude ver. A resenha foi magnífica, sincera, adorei. Vou colocar o livro na minha lista de compras...

    ResponderExcluir