Postado 28 janeiro 2013

Resenha: Mordida

Por Regiane Cristina S.







Título: Mordida
Autor: Meg Cabot
Nº de páginas: 306
Ano Edição: 2012
Editora: Galera Record







“ Lucien não falou palavra alguma. Apenas olhou para ela. Assustada. Meena observou-o tremer e perguntou-se o que ele tanto desejava fazer ou dizer. Ou se ela precisaria correr atrás do celular, que havia deixado na sala. Mas antes que tivesse oportunidade , ele levou a boca até a dela, fazendo com que ela sentisse o que não sentia desde... bem, desde a última vez em que ele a tivera nos braços daquela forma.” 

Mordida  é o 2° livro da série Insaciável. Lembrando que poderá ter spoilers do livro anterior (confira a resenha AQUI). Farei de tudo para que isso não ocorra. Caso alguém fique com receio, peço que passe logo para minha opinião final.

Quando eu soube do lançamento da continuação de Insaciável, eu fiquei ansiosa para lê-lo, pois fiquei apaixonada pela história de vampiros cheia de humor e sátira criada por Meg Cabot. Infelizmente o livro não me agradou como eu gostaria, mas diante de tantas  opiniões negativas, eu esperava que fosse pior.

Meena Harper só quer deixar o passado para trás e seguir com sua vida. Isso significa esquecer seu ex-namorado Lucien Antonesco e dedicar-se ao novo trabalho - a Guarda Palestina: uma unidade secreta do Vaticano especializada em caçar vampiros - onde o seu dom sobrenatural finalmente foi valorizado.

A garota nem sequer acreditava na existência desses seres, mas teve muito tempo para se convencer, já que ela teve um romance com o filho do Drácula. A partir disso, pode-se dizer que ela se tornou uma expert no assunto.

De qualquer forma, Meena prometeu a si mesma que se manteria o mais longe possível das criaturas da noite, até pelo menos conseguir provar aos humanos, que eles, mesmo sem almas, não perderam a capacidade de amar. Será que ela conseguirá essa proeza? 

A história inicia com um ritmo eletrizante, cheio de mistério e suspense, seguindo assim até o fim. Meg Cabot conseguiu me prender totalmente com sua escrita envolvente.  Devorei o livro em poucas horas, e quando terminei, pensei: "É isso mesmo? Acabou?".

Essa obra tinha tudo para ganhar minha feição por completo, mas devido ao desfecho da história, isso não foi possível. Eu não me conformei como as coisas terminaram. Não é de todo ruim, mas acho que a maioria dos leitores gostaria que fosse de outra forma. E comigo não foi diferente. Tive vontade de escrever um e-mail à autora questionando o porquê do final brochante. Ainda não consigo acreditar. Deixou-me tão frustrada ao ponto de me fazer querer atirar o livro pela janela.

Outra coisa que me chateou, é que achei que o livro podia ter sido estendido um pouco mais. Tudo aconteceu tão rápido. Deu a impressão que Meg se arrependeu de ter lançado essa série e não viu a hora de por um ponto final. Não sei se ela vai lançar uma continuação, de qualquer forma eu acho desnecessário, já que tudo parece ter sido esclarecido e resolvido em Mordida.

Quantos aos personagens, Meena continua a mesma de sempre. Sei que muitas pessoas a acham chata, mas eu até gosto dela. Só que eu esperava que ela não fosse tão dura com Lucien, como foi. Sei que por impulso, ele acabou extrapolando, mas como estava em uma situação desesperadora, deu para entendê-lo. Lucien ainda continua sendo um dos meus favoritos. Já Alaric Wulf conseguiu me tirar do sério por agir como um idiota praticamente o tempo todo. A teimosia dele me incomodou demais. Eu cheguei a torcer para que ele fosse morto a qualquer instante. Ele é tão petulante e como eu detesto pessoas assim, não tive como admirá-lo como no 1° livro da série.

O cachorro de Meena, Jack Bauer não teve muito destaque como em Insaciável e isso me deixou triste.  Ele é uma figura e tanto, portanto merecia ter sido mais explorado. Já o seu irmão John não soou tão engraçado como antes. Senti falta disso. Acho que o mais interessante foram os personagens acrescentados em Mordida, como os brasileiros: Padre Henrique Maurício e a caçadora de vampiros Carolina da Silva

Eu sei que nessa continuação as situações ganharam mais tensão e drama, mas não custava nada Meg Cabot ter mantido o mesmo humor do livro anterior. Tudo ficou muito sério, o que fez perder um pouco da essência e da proposta inicial.

Em geral a história tem seus méritos, mas chega longe de ser tão bom quanto Insaciável. Mas para aqueles que leram o 1° livro, recomendo que leiam Mordida e tirem suas próprias conclusões. 




3 comentários:

  1. Olá, tem um selinho esperando por vc no meu blog: http://quinzeprimaverasescritas.blogspot.com.br/2013/01/selinho-premio-dardos.html

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi Rê! Tudo bem?
    Apesar de estar cansada dessa temática de vampiros, achei que a Meg conseguiu construir uma trama bem original e bacana em Insaciável, e adorei o livro! Estava bastante ansiosa pela continuação, mas depois que li tantas críticas negativas sobre Mordida, perdi o entusiasmo! Que bom que você não achou tão ruim assim, mas é muito decepcionante quando o final não é bom, não é aquele que a gente fica esperando!
    Ainda vou ler, porque não gosto de deixar séries de livros não finalizadas, mas vou esperar mais um pouco!
    Ótima resenha :)
    Beijos, Nathi
    @bookswonderland
    Books in Wonderland

    ResponderExcluir
  3. Nossa, sou fã da Meg desde O Diário da Princesa e este livro pela resenha parece ser interessante,o enredo que traz Meena desejando deixar seu passado de lado. Esse ritmo eletrizante, cheio de mistério,suspense,situações ganharam mais tensão e drama, vai dar o tom do livro. Pena que pela resenha você: ficou decepcionada pelo final sem graça.

    ResponderExcluir